sexta-feira, setembro 29, 2006

As minhas Fitas

Passar os limites da sensatez, esquecer o meu lado certinho e rígido e, uma vez na vida, cometer uma loucura. Saudável. Esquecer as regras e deixar-me levar apenas pelo coração. Ignorar a razão. Simplesmente ir.
Vários amigos me diziam: derruba esse muro que criaste à tua volta, tira esse ar sério. Solta-te, miúda!
Pensei no assunto. Tinha 25 anos e, de facto, dei-me conta de que tinha crescido cedo demais! Reprimia muitos desejos e vontades porque achava que, aos olhos dos outros, não estava certo. Então decidi: hoje vai ser diferente. Vou deixar-me levar pelos sentidos. Não quero pensar em mais nada. Carpe Diem!
Coimbra assistia a mais uma Queima das Fitas. As ruas estavam repletas de capas negras. O frenesim habitual da festa dos estudantes.
Ainda não tinha decidido para onde ir, quando o telemóvel tocou e, do outro lado, uma voz que me era familiar mas não reconheci à primeira. Um amigo dos tempos de liceu, agora elemento de uma banda de sucesso. Actuava essa noite no parque e gostava de me ver.
Boa, disse para comigo mesma. Vou conhecer a banda que faz tanto furor. Vai ser giro!
Rumei ao parque. O meu amigo veio buscar-me para me levar até ao back stage para conhecer os outros elementos do grupo. Assisti ao concerto em local privilegiado. Trauteei umas músicas, enquanto me divertia com os gritos histéricos das estudantes. Compreensível. O vocalista e o baixista são rapazes bem interessantes.
No final, era obrigatório percorrer as tasquinhas! E fomos. O vocalista deu-me a mão e arrastou-me para os shot’s. Não bebo álcool, retorqui. Pois, então, será uma estreia.
Bebidos alguns, fomos dançar, descalços, na relva fria e húmida do parque. Ouvimos aplausos, assobios e algumas bocas foleiras. Ignorei tudo. Como era bom estar ali, rodeada de milhares de pessoas, mas concentrada numa só.
Os nossos olhos cruzaram-se e as nossas bocas uniram-se, para um beijo, um longo beijo. Quando abri os olhos, constatei a desolação de muitas miúdas ali à volta. Azar! Aquele homem hoje e, só por hoje, era meu.
Foi em Coimbra, numa queima das fitas!

4 Comments:

Blogger Mossoila said...

Ahhhhhhhhhhhhhhh! Tão LINDO! Fico plenamente feliz por ti. Por deixares-te levar... ao inicio do teu texto pensei: será que escrevi isto e não me lembro? Até na idade acertas :)

Bom, o que te aconteceu a seguir não foi o que me aconteceu a mim... de qualquer das formas, o meu primeiro beijo, esse sim, foi em Coimbra. E ja faz alguns anos.

Nada mais a dizer, só a sublinhar que estou feliz por alguém que não conheço e que se permitiu ter essa experiência.

7:05 da tarde, setembro 29, 2006  
Blogger GK said...

...Coimbra dos Amores... Em tempo de queima, tudo é possível.

8:21 da tarde, setembro 29, 2006  
Blogger tulipa_negra said...

pela tua descrição, essa queima ainda foi no parque da cidade, onde havia relva e podíamos sentar-nos ou deitar-nos nela, enroladas na capa... ai que saudades dessas queimas!
depois de ter passado para o "japão" deixou de ser a mesma...

5:56 da tarde, outubro 03, 2006  
Blogger Su said...

Grande queima das fitas no parque da cidade. tb recordo bons momentos em cada queima.

4:15 da manhã, fevereiro 16, 2007  

Enviar um comentário

<< Home